terça-feira, 3 de janeiro de 2017

HALO SOLAR

FENÔMENO: HALO SOLAR
Caros Tripulantes: primeira velejada de 2017 e dessa vez a surpresa não veio do mar, mas do Céu!!Velejar é isso!!
Mas, vamos por partes..... Mauro, mais um amigo que o mar me trouxe, foi o tripulante da vez e em sua primeira vez a bordo de um veleiro, acho que gostou....
Zarpamos 11 h já velejando de mestra e buja e o Mercury nem esquentou e já foi desligado. O vento era ESE fraco de uns 6 kt mas, suficiente para uma velejada agradável que nos levou quase ao Prumirim.
Aí, deu uma 'merrecada' e resolvi voltar, passando primeiro no Cedrinho que tava bem cheio. Na volta, percebemos esse 'arco íris' ao redor do sol, cujo nome certo é HALO SOLAR, cuja explicação é a seguinte:

Halo Solar é um fenômeno óptico caracterizado pelo surgimento de um círculo ao redor do sol. Ocorre na Troposfera, a cerca de 17 quilômetros de altitude, quando a luz do sol é refletida e refratada por cristais de gelo presentes na atmosfera terrestre. (fonte - brasilescola.uol.com.br)
Arrisquei duas fotos, não acreditando no resultado, mas como quem não arrisca, não petisca....deu certo!! E ainda apareceu o topo do mastro do Gaipava. Tirei a foto sem olhar, no chute mesmo!!
Velejada sem intercorrências, agradável, quente e úmida!! 
video
Aproveitamos e tomamos banho de balde no cockpit, já que o sol era inclemente.
Retornamos à poita 16h, juntamos a tralha e fomos descansar. Navegamos 11 Milhas náuticas.
Até a próxima!!
video

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

#TÁ TRANQUILO, TÁ FAVORÁVEL !!

video
Caros Tripulantes: de volta ao mar, velejando 'solo' novamente prá mais um passeio singelo e feliz num dia de sol ,  mar sem ondas e ventos de 7 kt do quadrante Leste.
Ou seja: velejada tranquila com tudo a favor!! Minha vela mestra que havia se rasgado foi reformada e ainda ganhou uma Capa de Retranca nova, feita pelo amigo Cesar Pastor .


Fui para o barco cedo e zarpei 10 h., com mestra em cima já que o vento se fazia presente. Em seguida subi a buja e pronto!! 'Motorização completa" Havia também alguns garotos velejando de Dinghi , o que me deixou bem contente. Difícil ver isso, apesar das condições favoráveis do Itaguá, ou seja, rampas na orla inteira, garagens náuticas, Clube Tamoios, enfim, acho que preferem navegar na internet.....
Fui saindo em direção ao mar , bordejando bastante , indo até a Praia do Felix onde o vento virou uma brisa e resolvi voltar prá não ter que motorar. Dentro da Enseada o vento era melhor, já que entravam algumas rajadas de sul e os morros potencializavam isso. Fiquei num vai e vem até cansar, indo prá poita motorando prá fazer o Mercury trabalhar ...
Navegamos 13 MN .
Até a próxima!!


Foto de Francisco Paganini

Foto de Francisco Paganini

terça-feira, 22 de novembro de 2016

99 DIAS

video
Caros Tripulantes: 99 dias de barco na poita. Número cabalístico. Emblemático também!! Nem quando o barco estava em Paraty e eu morava em Mairiporã fiquei tanto tempo sem velejar nele!!
Tudo bem que velejei no Papo de Popa do Hermes Pacini (participamos da regata Troféu das Ilhas por 3 dias) mas não é a mesma coisa, embora tenha sido um baita aprendizado, pois teve de tudo nessa regata !!
É claro que fui no Gaipava fazer as manutenções de praxe 'quase' toda semana, tirando um mês que fiquei na Bahia. Verificava amarração, raspava o casco, lavava convés, etc, etc, etc.... mas velejar que é bom, nada!!
O tempo ruim foi o maior responsável por essa ausência um tanto forçada!! Sair com mau tempo não é prá mim!! Um dia 'ele' vai te pegar, como já aconteceu...mas aí é o 'sal da vida'!! Não tem jeito a não ser enfrentar...
O dia de hoje prometia uma velejada mais arisca, pois ventou em torno de 9/10 KT com rajadas, com sol entre nuvens e mar de 1,6 metros. Zarpei 10:30 da poita com mestra em cima e o Mercury ligado. 10 minutos depois subi a Buja, deixei o motor 'descansar' e fui saindo em direção a mar aberto. Ventava SW começando a encarneirar, mas a velejada estava ótima e com muitas bóias de pesca pelo caminho que me obrigavam a bordejar constantemente. Na Laje do Patieiro, local conhecido aqui em Ubatuba, subiam e quebravam ondas enormes, isso beem longe da praia (em torno de 3 MN). Imagine você navegando e de repente subir uma baita onda quebrando à sua frente..... isso é o Patieiro!! Claro que fiquei longe..... Em alguns momentos o vento dava aquela 'parada', me obrigando a voltar prá Enseada, pois é uma combinação que não me agrada: ondas grandes e vento inconstante e rondando. O tempo fechou pro lado da Praia Vermelha, Félix e Itamambuca, mas para o SUL estava limpo e isso que importa!!
Fato triste é que notei 2 pequenos rasgos na vela mestra o que me obrigou a retornar pouco antes do esperado. Esgarçou numa 'dobrinha' perto da esteira. Agora é consertar....
Voltei prá poita motorando após quase 12 MN navegadas sendo que o Gaipava fez 6,3 KT  de velocidade máxima. Nada mal!!
Vejo vocês na próxima!! E que não demore tanto!!





domingo, 14 de agosto de 2016

VELEJADINHA DE DIA DOS PAIS



Caros Tripulantes: neste domingo, Dia dos Pais, resolvemos dar uma velejadinha após 34 dias de barco na poita, já que o tempo e compromissos não ajudaram.... e os filhos e netas estavam distantes em Sampa, Bahia e Pernambuco..... ô família que mora longe essa....
Distantes de corpo mas nunca de coração!! Já que o telefone e o Zap tocavam sempre!!
Fomos cedo pro barco, como de hábito e a Maria, fez o favor de cair na água ao subir no bote inflável...bobeou, dançou!! e molhou!!
E pagou um baita 'mico' na frente do pessoal que caminhava nas calçadas....em compensação, a bordo do bote, passamos por uns 10 golfinhos que passeavam mansamente entre os barcos.
Já no  Gaipava, montamos tudo e  às 10:15h zarpamos com vela Mestra em cima e motorando um pouco. 5 minutos depois, com um ventinho SE de uns 5 nós, subimos a Buja, desligamos o Mercury e velejamos o dia todo, bem naquela: 'o barquinho vai...a tardinha cai...'
Passamos pelo Cedrinho, Perequê, Barra Seca, Vermelha do Norte e Itamambuca, sem destino nem parada, 'bundando' mesmo.... Retornamos à poita por volta de 15 h, arrumamos a tralha e tchau!! Velejamos 12 MN. Vejo vocês na próxima!!

terça-feira, 12 de julho de 2016

VELEIRO CISNE BRANCO NO ITAGUÁ

foto  Francisco Paganini
Caros Tripulantes: domingo, 10 de julho de 2016 foi um dia prá ficar gravado na retina, na memória e no coração daqueles que amam o mar e os barcos!!
Após uma semana em São Paulo, voltamos correndo na sexta feira prá Ubatuba, afim de ajeitar o Gaipava prá uma velejada e quem sabe subir à bordo do Cisne Branco que vinha do Saco da Ribeira e pernoitaria no Itaguá. Oportunidade única!!
A visitação se daria apenas pelo píer do Tamoios e já haviam esgotado os lugares, mas nós, como velejadores que somos, combinamos 'recepcionar' o Cisne Branco no mar. E assim o fizemos em duas embarcações: Veleiro Papo de Popa do Cmte.Hermes Pacini tendo como tripulantes Marília,   Aurélio, (velejador experiente e 'safo), esposa Cléia e sua filha Ayla.
No Gaipava, eu, Maria de Los Angeles, Igor e Áqüila, que velejavam conosco pela primeira vez!!
fotos  Aurélio Paiva

foto Aurélio Paiva

Foto Aurélio Paiva



Zarpamos 11h motorando com mestra em cima, mas pouco depois, subimos a buja e desligamos o Mercury, saindo suavemente da baía do Itaguá ao encontro do Cisne Branco. O veleiro Papo de Popa zarpou pouco depois e seguiu o mesmo rumo.





Aurélio Paiva


Aí então. esperamos que ele jogasse a âncora, aguardando pelo VHF instruções para abordagem. Inicialmente, apenas embarcações já inscritas e vindas do Tamoios  poderiam encostar a contrabordo para os visitantes subirem a bordo do CB, então estaríamos fora...mas o Aurélio, pelo rádio, contactou o pessoal do clube que, explicou que éramos velejadores  querendo conhecer o navio-escola e o comandante  permitiu nossa visita .
Tentamos encostar o PP a contrabordo do CB mas qualquer marola (e haviam muuuiitas) poderia fazer o top do mastro bater na primeira verga e em seu 'filame'. Operação cancelada!! Nesse momento, já estávamos todos embarcados no PP e o Gaipava ficou fundeado próximo.
Aí o Aurélio levou alguns com o bote do Hermes, mas balançava demais e então fomos buscar o meu bote que estava na minha poita para terminar a operação, lembrando que nenhuma embarcação ficaria amarrada ao CB , então começamos um leva-e-trás até que todos pudessem conhecer o Cisne Branco em toda a sua majestade!! Sua tripulação, inclusive o Comandante,  mostrou-se super receptiva, educados e explicando tudo. Responderam nossas perguntas que não foram poucas, satisfazendo nossa curiosidade.














O Cisne Branco é um Navio-Escola, Veleiro, que funciona representando o Brasil como uma Embaixada flutuante em eventos náuticos pelo mundo. Armado em GALERA, 3 mastros, mais de 2.000m2 de velame, com 76m comprimento e 10,50 de boca (dados da internet) e calado 4,50m.
Foi inesquecível essa visita e inesperada, já que só de navegar ao seu lado já era um privilégio!!  Quando estivemos na Baía da Guanabara com o Gaipava, também cruzamos com ele próximo à ponte Rio/Niterói, mas dessa vez foi beeem mais legal!! Retornamos aos nossos barcos quase à noite, para arrumação e no escuro  fomos desembarcando os tripulantes no píer do Tamoios encerrando um dia prá ficar na memória e no coração.
O Gaipava navegou 8 MN nesse dia!!